Meus livros

BannerFans.com

terça-feira, 9 de julho de 2013

Compreendendo o amor

Espalhei pétalas de rosa sobre a cama
Deixei champagne no gelo 
Usei o melhor perfume 
E até decorei um verso do seu poema favorito, e agora o leio: 
"o amor é fogo que arde..."
E à meia luz, ouvindo uma música suave esperei, esperei... e você não veio.
A mesa ainda está posta, a cama feita;
E, admito: “a poesia é algo belo, ao mesmo tempo íntimo e alheio”. 

E pesando sua ausência e refletindo seu valor percebo:   
"amor é fogo que arde sem se ver", e não queima;
É fome e é banquete; 

E que essa saudade é falta do que se tem, 
Não do que se perdeu; 
Saudade é falta da presença que, 
Embora distante do seu riso, do seu brilho...
O, você, amor se faz presente não quando mais quero, e sim, 
Sempre e quando mais preciso.
É isso.

E enquanto te espero...

Um pouco de Camões:

"Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?"
 
Luís de Camões

A maior flor do mundo

Uma história poética

quinta-feira, 4 de julho de 2013

O amor que te ofereço

Quero oferecer-te o amor que realmente sinto:                                                                              cuidadoso, inocente e risonho;                                                                                                         O amor que juntos sonhamos.                                                                                                                               Não te darei o amor banal e egoísta, que se inventa:                                                                                         de ciúmes e opressão, que mal se aguenta;                                                                                            Quero oferecer-te o amor que mereces: aureolado de sonhos.

Não quero oferece-te o amor que supomos:                                                                                  bonito e vaidoso, cheio de detalhes que o torne perfeito;                                                                              Quero oferecer-te o amor que criamos:                                                                                               risonho e cheio de agrados, que livre se doa e se é aceito.

Quero oferecer-te um amor que por si só se sustente, sabe:                                                               aquele amor que por ser frágil, delicado, faz-se tão fortemente intransponível,                                                    superior aos males que ameace agente.

Quero oferecer-te o amor que sinto:                                                                                                   esse desejo quente,                                                                                                                                 o amor que só quem ama verdadeiramente sabe o quanto o sente.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Minha missão, meu desejo

Deixar o meu rastro pela terra, amparado pelos recursos da lua,  e declarar guerra aos homens das guerras, homens de lua, que desconhecem a divina poesia que é a vida; onde o homem é o verso que se harmoniza à misteriosas rimas.
Essa é a minha missão, minha poesia; faça a tua.

Meus livros

BannerFans.com