Meus livros

BannerFans.com

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Certa hora


Certa hora da tarde cada instante é decisivo. O suspiro de meia compensação é irrelevante, nada acrescenta, não obstante, reduz. A verdade é absoluta.
E a ciranda continua a girar...
O semeador escolhera suas sementes. Há sonhos, flores, há frutos, brisas...
Mas à sombra se descansa na dor.
Também há lamentos por tantas perdas e doces reminiscência.  Mas como viver é vestir-se de otimismo e entregar-se às esperanças, sigamos assim, ignorados e esquecendo; recordando e aprendendo.
Os erros quando avaliados são como vacina; os acertos quando monitorados e estudados se aperfeiçoam e tornam-se hábitos.  Conquistas são curas.
Certa hora da tarde crescem os filhos. No jardim se lê as estações. O mundo continua vulgar e imperfeito, contudo é perfeito porque se pensa mais, se reclama menos; se faz pouco, e muito de tudo, pouco a pouco de ajusta.
Marias, Helenas, Lucianas...
O café amargo já não parece tão ruim. Engolem-se pílulas sem água. Papo de velho torna-se valiosos. E o espelho!...
O espelho nos revela traços de ancião. Livros grossos, versos ou prosa, sem figuras _tanto faz!_, devoramos. Em tudo se lê a vida.
Ah, o coração! O coração acorda ou adormece. O crepúsculo o envolve. O senhor da luz ajeita o manto.
Certas horas da tarde... Luz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meus livros

BannerFans.com