Meus livros

BannerFans.com

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Uma mulher


E outra vez me vem o jovem petulante me arranca a máscara e me atira, na cara, a realidade.
Não posso repreendê-lo. Não assim, diante da vida que se renova e me sorri.
_ Não é isso que sonhas, Rai, nas horas mortas?
Seja esse o trem que o atropele ou o mar no qual em pensamento tantas vezes te afogas.
Vai! Se atire desse penhasco e descubras o que existe além do escuro desse tenebroso abismo. Afinal, ela é apenas uma mulher! Humanos sentem as mesmas dores, o que muda são caras e bocas; máscaras. Todos se maquilam para disfarçar uma tristeza.
            Ela tem olhos de rubi, penetram minh’alma. Lindos! Mas há certa tristeza perturbadora; um vazio iluminado por uma ternura sem cores. Como um jardim sem flores no outono, só folhas se desprendem, e o vento se vai sem o melhor perfume...
Ah, essa mania de ver um traço de tristeza em toda beleza! O belo só é belo pelo enigma do seu abstrato. Mas posso ver uma alma inquieta pedindo socorro em meio àquele esplendor enigmático. Será que ama? Será que é amada?
            A hora perigosa tornar-se-á mais suportável tendo um sonho a sonhar, um abismo desconhecido entre o nada e o improvável. Talvez não seja intransponível; Talvez, quem sabe, um labirinto de flores e exótico perfume. Seja como for, faça-o sua utopia e se entregue novamente ao gozo de viver.
            Mova-se, vamos, ela não te vê! O minério é imperceptível encoberto pela poeira ressequida; uma estrela não reluz se não vencer o espaço escuro, o sol só se põe pela vaidade de se ressurgir;  Portanto vá, agora, e exiba-se como raio e trovão. E se essa tal eletricidade que pressentes seja a energia do amor...
Feche os olhos para os conceitos, pois, só o amor é real, o resto é mito; bem sabes.
Nem pense nisso! Ela nem te conhece; e tu mal conheces a ti mesmo. Talvez ela o queira; talvez seja ela... Ela. E tu de sapo torna-se príncipe.
Bom, nem tanto; mas um duende aventureiro sobrevivente na terra dos esquecidos.
Deus meu, como ela é linda!...




Passo horas contemplando


Passo horas contemplando
De vez em quando um sorriso
Que eleva ao máximo meu deslumbre
Ela é surpreendentemente perfeita.
                Um olhar para apaziguar meu coração
Na hora certa em que já não consigo controlar a pulsação. Mas
Estúpido, tímido e livre; não sei disfarçar o desejo.
Ela percebe não demonstra saber.
                Eu procuro no corpo sensual, e de postura exemplar, sinais de desejo;
Nada, nem um gesto revelador, insinuante; exceto um perfume de mulher que meu cérebro insiste em interpretar como aroma sexual.
                A vida já não é uma única sonoridade,
Os tambores soam, e uma orquestra instrumental executa todos os tons entro de mim.
                Passo horas contemplando..., ela, regente de mim.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Como você pensa?


Talvez, e só talvez, o raciocínio inadequado e o argumento inconveniente assustem.
Assustem, e apenas assustem, àqueles que renegam meu ponto de vista. Sendo, pois, apenas uma opinião, oriunda de um apedeuto, não há motivos para alarde. 
Independente de como pensamos vivemos ou cumprimos o tempo de nossa estadia nesse plano. 
A felicidade é uma ilusão e toda ilusão é verdade única que tem poderes de manter em movimento a ciranda. O que impede o a evolução do homem são as leis, a ética e a moral, que controlam uma liberdade que traz efeitos fatídicos. O homem criou um conceito errôneo de progresso e cria link de sinônimos para camuflar tanta ignorância. Falta-nos humildade para correção. O resultado de toda repressão é a dor.
Versos desideratum!
 
Não precisa entender, só pense; no reino da hipocrisia pensar já é um ousado desafio.

sábado, 29 de dezembro de 2012

Curtiu? click!


Tudo é passageiro.
Click com os olhos
Click com a boca
Click com os pés
Click com a imaginação...

Click com um flerte
Click com um beijo
Click com um movimento, um passo, um gesto, uma atitude.
Sonhe! Ame! Tudo é passageiro, mas neste instante tudo é real.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Certa hora


Certa hora da tarde cada instante é decisivo. O suspiro de meia compensação é irrelevante, nada acrescenta, não obstante, reduz. A verdade é absoluta.
E a ciranda continua a girar...
O semeador escolhera suas sementes. Há sonhos, flores, há frutos, brisas...
Mas à sombra se descansa na dor.
Também há lamentos por tantas perdas e doces reminiscência.  Mas como viver é vestir-se de otimismo e entregar-se às esperanças, sigamos assim, ignorados e esquecendo; recordando e aprendendo.
Os erros quando avaliados são como vacina; os acertos quando monitorados e estudados se aperfeiçoam e tornam-se hábitos.  Conquistas são curas.
Certa hora da tarde crescem os filhos. No jardim se lê as estações. O mundo continua vulgar e imperfeito, contudo é perfeito porque se pensa mais, se reclama menos; se faz pouco, e muito de tudo, pouco a pouco de ajusta.
Marias, Helenas, Lucianas...
O café amargo já não parece tão ruim. Engolem-se pílulas sem água. Papo de velho torna-se valiosos. E o espelho!...
O espelho nos revela traços de ancião. Livros grossos, versos ou prosa, sem figuras _tanto faz!_, devoramos. Em tudo se lê a vida.
Ah, o coração! O coração acorda ou adormece. O crepúsculo o envolve. O senhor da luz ajeita o manto.
Certas horas da tarde... Luz.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Resíduos - Drummond de Andrade


De tudo ficou um pouco.
Do meu medo. Do teu asco.
Dos gritos gagos. Da rosa
ficou um pouco.

Ficou um pouco de luz
captada no chapéu.
Nos olhos do rufião
de ternura ficou um pouco
(muito pouco).

Pouco ficou deste pó
de que teu branco sapato
se cobriu. Ficaram poucas
roupas, poucos véus rotos
pouco, pouco, muito pouco.

Mas de tudo fica um pouco.
Da ponte bombardeada,
de duas folhas de grama,
do maço? vazio ? de cigarros, ficou um pouco.

Pois de tudo fica um pouco.
Fica um pouco de teu queixo
no queixo de tua filha.
De teu áspero silêncio
um pouco ficou, um pouco
nos muros zangados,
nas folhas, mudas, que sobem.

Ficou um pouco de tudo
no pires de porcelana,
dragão partido, flor branca,
ficou um pouco
de ruga na vossa testa,
retrato.

Se de tudo fica um pouco,
mas por que não ficaria
um pouco de mim? no trem
que leva ao norte, no barco,
nos anúncios de jornal,
um pouco de mim em Londres,
um pouco de mim algures?
na consoante?
no poço?

Um pouco fica oscilando
na embocadura dos rios
e os peixes não o evitam,
um pouco: não está nos livros.

De tudo fica um pouco.
Não muito: de uma torneira
pinga esta gota absurda,
meio sal e meio álcool,
salta esta perna de rã,
este vidro de relógio
partido em mil esperanças,
este pescoço de cisne,
este segredo infantil...

De tudo ficou um pouco:
de mim; de ti; de Abelardo.
Cabelo na minha manga,
de tudo ficou um pouco;
vento nas orelhas minhas,
simplório arroto, gemido
de víscera inconformada,
e minúsculos artefatos:
campânula, alvéolo, cápsula
de revólver... de aspirina.
De tudo ficou um pouco.

E de tudo fica um pouco.
Oh abre os vidros de loção
e abafa
o insuportável mau cheiro da memória.

Papai Noel às Avessas



Papai Noel entrou pela porta dos fundos
(no Brasil as chaminés não são praticáveis),
entrou cauteloso que nem marido depois da farra.
Tateando na escuridão torceu o comutador
e a eletricidade bateu nas coisas resignadas,
coisas que continuavam coisas no mistério do Natal.
Papai Noel explorou a cozinha com olhos espertos,
achou um queijo e comeu.

Depois tirou do bolso um cigarro que não quis acender.
Teve medo talvez de pegar fogo nas barbas postiças
(no Brasil os Papai-Noéis são todos de cara raspada)
e avançou pelo corredor branco de luar.
Aquele quarto é o das crianças
Papai  entrou compenetrado.

Os meninos dormiam sonhando outros natais muito mais lindos
mas os sapatos deles estavam cheinhos de brinquedos
soldados mulheres elefantes navios
e um presidente de república de celulóide.

Papai Noel agachou-se e recolheu aquilo tudo
no interminável lenço vermelho de alcobaça.
Fez a trouxa e deu o nó, mas apertou tanto
que lá dentro mulheres elefantes soldados presidente brigavam por causa do  aperto.

Os pequenos continuavam dormindo.
Longe um galo comunicou o nascimento de Cristo.
Papai Noel voltou de manso para a cozinha,
apagou a luz, saiu pela porta dos fundos.

Na horta, o luar de Natal abençoava os legumes.


Carlos Drummond de Andrade

sábado, 24 de novembro de 2012

Ana, Flor Menina


Espere, por favor! Espere.
Se cheguei tarde ou cedo, não sei.

Mas estou aqui e vejo
O teu olhar, desejo,
Riso, que também é beijo,
A beijar-me você
Nos meus lábios sedentos.
_ Assim que a vi a amei _
Se cedo ou tarde, não sei.

Coroai-me,
Flor menina,
Coroai-me.
Enquanto a sós, Ana, coroai-me.

Bem Social


O bem que você me faz

Ah, sol! Assim você acaba por fazer de mim um poeta... ou no mínimo, um bom cidadão.

Agora vivo cheio de cuidados:
Faço a barba regularmente
Escolho bem as roupas
Cuido da saúde
Cuido da palavra
Cuido do caráter
Cuido do espírito;
Quero ser o homem que você merece:
O homem perfeito!
Caso não me queira,
A sociedade ganha,
Um novo homem; eu.

Alento ao desalento


_ Um riso para o meu pranto!

Tenho os passos firmes
Agora que estou agarrado a tuas mãos invisíveis.
Confio nos teus atos seguros;
Confio na tua atenção para comigo.
No teu cuidado de Pai
No teu capricho de mãe
No teu zelo de amigo.


Hoje tenho os s passos firmes

Porque sei que não estou só;

E que jamais estarei, 
Pois sei que até o próprio chão
Criaste para amparar-me
E as pedras dão sentido ao meu caminho                                                                                     E brotam flores por onde passei.


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Velhice iminente


“Toda minha vida não lutei por ninguém, pois ninguém valia minha luta nem meus sacrifícios; esqueci todos os sentidos no amor.
O que fiz, o fiz por amor a alguém ou a alguma coisa.
Não é egoísmo, é sensatez; o próximo é uma extensão de mim.
Amei pessoas, e me apaixonei;
Amei a natureza e a arte, não os compreendi, embora eu viva interrogando a vida que se esvai.
A vida é como ervas que se apodrentam; como águas escapam pelas mãos e deixa como lembranças sua forte imagem e sabor indizível.
Eu vivi e estou pronto para partir, levado pela brisa que compõe e consome;
Mas que se prolongue, por um tempo mais, bem mais, esta estadia.”


(Velhice iminente, trecho de um poema do próprio autor).

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A Despedida

Perdi-me entre as flores.
_ Todas as flores são lindas
Quando destinadas com amor.

Só não queria calêndulas
Não por lhes faltar beleza
Mas por conta de uma lembrança triste.

Por fim, um arranjo de rosas.
_ As rosas são insuperáveis:
É caminho para a conquista
Seduzem às núpcias
Celebram o casamento
Ornam e perfumam partos e nascimentos.
E acompanha vida afora
Os tropeços da velhice
Florescem ainda sobre o último repouso
Embalando ao sono a velha meninice.

Teu corpo era um jardim
_ verde, vermelho e rosa... _
E teu sorriso...!
Ai de mim!

Ele veio buscá-la numa carruagem verde:
Cavalos possantes e a guarda real
Duas damas de companhia
Dois símbolos de fertilidade.

Dois servos ficaram olhando...
_ Dois corações abraçando uma saudade!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Do livro "Um Minuto, Por Favor!"



Uma manhã destas, indo da periferia para o centro de São Paulo, encontrei no trem da linha oito Diamante _ Itapevi/Barra Funda _ um rapaz aqui do bairro, que eu conheço só de vista, de idas e vindas bairro adentro, e de funk. Ele parece barulhento e intimidador. Cumprimentou-me com um gesto “shaka” ou “saudação bellamy”, não sei bem; sentou-se no degrau de divisão dos vagões, lugar onde não me sentei devido a um pequeno problema na minha nádega. Perto de mim, falou do Corinthians e dos candidatos à prefeitura, e acabou cantarolando um funk que faz apologia política em meio a um monte de palavrões. Ele é um usuário costumeiro daquele horário naquele vagão. A viagem não era curta, e os versos pode ser que não fossem inteiramente maus, não fosse pelos erros absurdos de português e as palavras de baixo calão, visto que os adjetivos eram verdadeiros. Todos os dias ele fazia isso: funk e bazófias.
Em alguns momentos pensei em mudar de vagão, mas não é fácil sair do trem quando tem uma multidão querendo entrar, já que, nos horários de pico o trem parte e a plataforma permanece cheia de passageiros nervosos que não conseguiram embarcar. Sucedeu, porém, que, como eu estava cansado, apertei os olhos três ou quatro vezes; tanto bastou para que ele fizesse uma piada e interrompendo minha leitura enaltecesse, em alto e bom som, os versos do seu ídolo. Depois, fazendo uma careta, demonstrou repulsa pelo livro grosso eu lia, ou talvez pelo meu jeito. A saber, meus hábitos no trem eram escrever, a leitura, cochilar ou silêncio, apenas.
— Bons versos, disse eu acordando receoso.
_ Ah! Sei que você não curte; você curte é MPB. Coisa brega! _ e riu com desdém.
_ Depende do momento. Mas tem de ter qualidade.
— Tá, continua lendo, não quero atrapalhar sua leitura, murmurou ele rindo.
— Tudo bem.
Vi- lhe fazer, com a boca, um gesto de percussão para cantarolar outra vez, mas não passou do gesto e pequenos ruídos de duas notas sonoras espremidas entre os dentes; sentiu-se meio acuado pelos olhares. Eu, ao fechar os olhos novamente, só ouvia ruídos, as vozes abafadas, tudo ficando distante, o corpo esmorecendo até que o livro caiu das minhas mãos. Houve um ligeiro silêncio; depois gargalhada, e descontração, muitos cumprimentos, fofocas, lamentos e vanglórias. “Que bom! _ pensei,_ pela manhã, um pequeno incidente sempre proporciona um diálogo, aproxima as pessoas; isso quando não rola um quebra-pau.”
Naquele dia senti mal-estar o dia inteiro. Cochilei durante as aulas e no ônibus em todo o percurso para o trabalho.
No dia seguinte o rapaz entrou e logo foi olhando para todas as faces, procurando por mim: _ Cadê o cara do livro?_, e se sentando dizia que me conhecia, que era meu amigo, eu era poeta, bebia todas, _Ufa! E vivia nos bares antes de voltar a estudar. Dizia coisas, assim, desagradáveis _ meias verdades _, que acabaram apelidando-me poeta entre outras pilhérias. Todos os passageiros, exceto eu, aderiram; e até admitiram gostar de pessoas com tais hábitos recalcados, jeito calado e inofensivo, e que gostariam de se acostumar à prática da leitura, a poetização ou outros semelhantes.
Deram curso a tais atributos, que afinal tornou a viagem mais agradável. Nem por isso consegui me descontrair. Sou mal-humorado, principalmente pela manhã. Quando acordo já começo a cantar silenciosamente, exagero debaixo do chuveiro e crio versos, rezo ou converso comigo mesmo o tempo todo, só para controlar meus nervos. E até esse diálogo íntimo me aborrece. Agora a minha mania é só fazer textos críticos, mas eles se desenvolvem deformados pelos meus traumas pessoais. O emprego e o casamento são as principais causas. Os agravantes me transformava noutra pessoa que às vezes me assustava. Esse problema me fez perceber que somos de natureza mutante. De manhã se é um e de tarde outro. Agente se acostuma, embora não se aceite; ou vice-versa. Após algum tempo naquele novo trabalho eu estava me transformando aos poucos nesse sujeito inconveniente, nervoso. Será que eu era mesmo um membro importante da “Família Teleperformance”? Sentia-me útil à empresa, prestando serviços para o provedor UOL, o maior provedor de serviços online do Brasil; sentia-me útil aos clientes, mas algo estava me corroendo...
Contei a meu médico _ meu médico é um jeito mentiroso de dizer, perdoe-me. Contei aos médicos do convênio sobre essa irritação que me tirava o sono à noite e me fazia sentir sono todo o dia, e até dormiria de pé, andando, caso ousasse fechar os olhos por alguns segundos.
Primeiro consultei o clínico geral, esse me encaminhou para o gastroenterologista que, por sua vez, me recomendou um dermatologista. Os profissionais mais dedicados conseguem se aprofundar nos sintomas, que mesmo agente ignorara, e chegam a um diagnóstico mais provável. Quando é assim a verdade sai. Juntando tudo, foram unânimes no diagnóstico: “stress; e pode levá-lo a uma parada cardíaca a qualquer momento.” Acordaram.
_ Saía urgente dessa área de telemarketing; conheço pessoas que estão jogadas por ai por conta desse tipo de serviço, alertou-me o médico da vez.
_ Não é pra tanto, pensei.
_ Você vai me trazer esses exames _ continuou, enquanto prescrevia a receita e preenchia a guia _ só me apareça aqui com tudo em mãos, e traga essa receita com o carimbo da farmácia.
_ Tão grave assim, doutor?
_ Gravíssimo! É pra assustar mesmo. _ ergueu os olhos e me entregou os papéis. _ Estou de afastando por dois dias, descansa e pensa se seu trabalho vale mais do que sua vida.

Meus livros

BannerFans.com